Quais frutas são permitidas para o meu cachorro?

A relação entre o ser humano e o cão cresceu muito nos últimos anos. Em muitos lares, o cachorro é considerado um membro da família e, devido a essa proximidade, muitos alimentos da dieta dos seres humanos são constantemente oferecidos aos peludos.

Um grupo de alimentos muito consumido pelas pessoas e ofertado aos cães como forma de agrado é o das frutas. Porém, apesar de parecer um petisco saudável e natural, é necessário entender alguns pontos antes de oferecer qualquer tipo de fruta aos amigos de quatro patas.

Algumas frutas podem ser bem tóxicas para os cães, como as uvas. O seu consumo não é recomendado, tendo em vista diversos relatos de toxicidade e possíveis alterações renais. Já em relação às frutas cítricas, existem diversas informações errôneas sobre o seu consumo pelos cães. Mas, dependendo da quantidade, um animal saudável não terá problemas para digerir e absorver frutas cítricas.

Quais frutas são permitidas para o meu cachorro?

Então, qual fruta meu cão pode comer? Algumas frutas que podemos fornecer com segurança aos cães e que eles costumam adorar são: banana, maçã, pera, manga, morango e caju. Todas elas são opções muito nutritivas, sendo excelentes opções de petiscos. A melancia, pela alta quantidade de água, também é um ótimo agrado para oferecer em dias muito quentes, em uma atividade no parque ou após a atividade física.

A partir disso, surge uma nova pergunta: qual a quantidade de frutas permitida para o meu cão? Pensando em proporção, imagine um cão com 10 kg que diariamente recebe sua porção de ração recomendada e uma banana nanica. Esse cão recebe, em média, um excesso de 15% de ingestão energética diária, ou seja, futuramente pode alcançar o sobrepeso pela ingestão excessiva de energia. Por isso, antes de oferecer qualquer tipo de alimento ao animal, é importante consultar um médico-veterinário ou zootecnista especializados em nutrição. Além de indicar o tipo de fruta que pode ser disponibilizada, o profissional também dará orientações sobre a quantidade ideal a ser oferecida, evitando excesso de peso e possíveis intoxicações.

Junte-se a discussão

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top