Farinhas, uma fonte de proteína?

Quando empregamos o termo “farinha”, automaticamente pensamos naquele pó branco encontrado na cozinha de vários domicílios e muito utilizado para preparar massas, como macarrão e bolos. Por isso, é habitual que façamos a associação direta do termo “farinha” como uma fonte de carboidratos. Mas será que essa é a definição correta?

Na indústria de pet food, é muito comum o uso das chamadas “farinhas de vísceras” na produção de alimentos comerciais secos (famosas rações), nos quais, muitas vezes, elas aparecem como o principal ingrediente. Este fato por vezes confunde os consumidores que, ao lerem o rótulo do produto, almejando encontrar alguma fonte de proteína mais “clássica”, como carne mecanicamente separada, ao se depararem com uma “farinha”, assumem que a ração é de baixa de qualidade, rica em carboidratos e pobre em proteínas.

Contudo, isso não condiz com a realidade, pois o termo “farinha” é utilizado para definir o produto resultante da cocção, prensagem e moagem de algum ingrediente.

Nos alimentos comerciais de cães e gatos, as farinhas mais empregadas são as de vísceras, como coração, intestinos, estômago e fígado; de aves ou suínos. Esses componentes são subprodutos do abate desses animais que no passado eram descartados, mas que, com o avanço da indústria de pet food, passaram a ser bem aproveitados, inclusive diminuindo a produção de dejetos. Por ter origem animal, contrariando o senso comum, essa farinha possui alto teor proteico, que pode variar de 46% a 57%, segundo estudo publicado pela Revista Brasileira de Zootecnia. Ela supre a necessidade de todos os aminoácidos essenciais e tem alta digestibilidade, permitindo maior aproveitamento pelo animal que a consome; além de baixo custo.

Sendo assim, podemos concluir que a farinha de vísceras é bem diferente da farinha utilizada na culinária humana, e a sua inclusão em um alimento comercial não é prejudicial ou impróprio, muito pelo contrário, consiste em um ingrediente adequado, seguro e saudável para atender as necessidades de nossos companheiros caninos e felinos.

Junte-se a discussão

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top